Açúcar e gorduras: tão viciantes, como cocaína

8 Jul

Açúcar e gorduras: tão viciantes, como cocaína

  Uncategorized via102

Um estudo científico demonstra que o açúcar realmente é viciante. Para sua pesquisa, comparou-se o efeito que tem essa substância branca sobre o cérebro com algumas drogas comuns, como a cocaína, o tabaco ou o álcool.

Os resultados do estudo são muito lindas e demonstram o que há tanto tempo que iremos verificar. Há que reduzir o consumo de açúcar, na medida do possível, da mesma forma que as gorduras, que de acordo com outro estudo também teria o mesmo problema que o açúcar.

Ultimamente o açúcar e as gorduras são um dos temas mais polêmicos e debatidos pelo seu elevado consumo na nossa sociedade e seus efeitos prejudiciais para a saúde, mas, sabe-se que são tão ruins, porque as pessoas não reduz a quantidade que consome por dia?. A resposta a esta pergunta é o efeito viciante que possuem essas substâncias.

De facto, os estudos atuais têm saído à luz comparam o efeito do açúcar no cérebro com o que tem a cocaína e pode-se dizer que aqui está a chave de seu “poder viciante”. Esses estudos têm como objetivo verificar os efeitos que causa o açúcar no cérebro humano.

Nas imagens, que vos deixamos pode-se observar claramente a semelhança entre o consumo de ambas as substâncias. A “mancha” vermelho que vê nas fotografias, há referência à dopamina que o nosso corpo secreta. Como age esta substância química?. Pode-Se considerar como uma substância de recompensa que nosso cérebro produz quando satisfeito, para dizê-lo de uma forma que ele entenda. Os exemplos mais conhecidos é quando fazemos exercício ou mantemos relações íntimas. Nesses momentos é gerado dopamina como resposta do corpo a um estado de satisfação. O mesmo ocorre quando alguém come algo que gosta.

O caso é que, em situações de dependência não ocorre da mesma forma. O normal é que primeiro se faça a ação que nos daria o prazer e, em seguida, é gerada como resposta a dopamina. Os viciados, a dopamina é ativado antes de ter sido realizado da ação, ou seja, já não seria uma substância de recompensa.

O problema é que no momento de obter o que se quer, por exemplo, comer algo que gosta, a resposta em um viciado é inferior às pessoas que não são viciados. Ou seja, sentem-se menos “prazer”, pois esta “resposta de recompensa” está condicionada. Além do mais, as pessoas com problemas de dependência têm menos receptores de dopamina e isso faz com que alguém tenha de menos e que o sinal seja mais fraco.

E eis o cerne da questão, o açúcar cria este efeito no cérebro do mesmo modo que o fazem algumas drogas, como a cocaína, o álcool ou o tabaco. De fato, o estudo que foi realizado por um grupo de pesquisadores da Universidade de Connecticut, confirma que tanto o açúcar como as gorduras são produtos viciantes, como cocaína.