Piolhos mutantes: inmumes aos tratamentos habituais

31 Aug    Uncategorized via102
Aug 31

Piolhos mutantes: inmumes aos tratamentos habituais

Um novo estudo científico alerta a população sobre a resistência dos piolhos aos produtos que são utilizados no dia de hoje. A causa, os piolhos são mutante para se tornar resistentes a estes produtos e poder sobreviver.

Se já era difícil livrar-se as lêndeas e os piolhos agora ainda vai custar mais, porque eles estão ficando fortes e imunes contra tudo o que nós empregamos para acabar com eles. Devem abrir novos campos de pesquisa para alcançar outra classe de produtos que possa acabar com os novos piolhos: os piolhos mutantes.

No jornal The Mirror, podemos ler um artigo sobre o estudo, que revela este problema e que tem sido levado a cabo por investigadores da Universidade do Sul de Illinois. Há que dizer que de momento se tenha feito a pesquisa somente nos Estados Unidos e foi visto 25 de seus Estados já têm este tipo de piolho mutante e resistente, mas acredita-se que se trata de um problema mundial e que vai mais pelo movimento constante de pessoas que vão de um lugar para outro.

Após os testes realizados, puderam ver como muitos desses piolhos tinha alterado o seu DNA, levando a mutações genéticas que os tornam resistentes aos tratamentos que existem hoje para lutar contra eles (como a permetrina, o malation, o butóxido de piperonil ou o lindano) seja em forma de loção, shampoo ou aerossóis.

Empregar as liendreras de forma regular e insistente continua sendo uma das salvações para removê-los.

Há que se lembrar que os piolhos se propagam com grande facilidade, principalmente em crianças que compreendem idades entre 3 e 10 anos e que costuma concentrar-se em escolas, piscinas, campos de férias… Assim que as viagens a outros países ou a volta ao colégio costuma ser um foco de contágio e propagação. Por isso, se expandem tanto e, por isso, acredita-se que haverá mais países que tenham estes novos piolhos mutantes. Os piolhos se alimentam de sangue do couro cabeludo da pessoa em que têm vindo a pousar e estas picadas podem causar prurido persistente inflamar o couro cabeludo.